sexta-feira, 17 de julho de 2009

118- Auto Hemoterapia II

Palavras do Dr. Luiz Moura...


MEDICINA


Medicina é a arte de curar. Então eu só tenho um único compromisso com meus pacientes: aliviar o sofrimento deles e quando possível, curar. Por isso que eu não respeito os padrões chamados, que se dizem os padrões científicos. Isso eu não posso fazer, que não é comprovado pela ciência, pra mim o que comprova qualquer coisa é o efeito do tratamento, se ele produz benefícios para o paciente é um tratamento científico, mesmo que não saibamos qual o mecanismo de ação deste tratamento, eu uso recursos sejam quais forem para beneficiar os pacientes; para que eles se beneficiem e pelo menos, tenham alívio do sofrimento e se possível, a cura do paciente, agora depois, então, porque eu tenho uma mente investigativa, com uma forte tendência a investigação, depois, eu não me satisfaço com isso e procuro encontrar uma solução, procuro encontrar algo que me satisfaça, que eu entenda, porque que ele funcionou, e depois de já ter curado o paciente.

Depois de ter dado o resultado, aí eu tenho o interesse em investigar o porquê, e quando eu não consigo, porque eu não tenho laboratório, provar o porquê; eu sempre procuro um raciocínio lógico que me leve a conclusão do porquê, por exemplo, no caso das alergias...o paciente fazendo a AH ele tem uma grande melhora da alergia. Bom, alergia na realidade não é nem doença, é uma reação do Sistema Imunológico ativada, uma reação exacerbada, devido ao grande número de agressão que o ser humano sofre no dia a dia, no ar que ele respira, poluído, nos alimentos que ele come com substâncias que são com agentes conservantes, mas que tem, trazem prejuízo para ele, corante usa nos alimentos, isso tudo são agressões, então, o organismo das pessoas mais exigentes, luta demasiadamente contra isso; há até já uma suspeita bem fundada, de que as pessoas que são muito alérgicas têm muito menos chance de ter câncer, porque tem um Sistema Imunológico mais zeloso, mais ativado, isso já é uma suspeita, não é provado, mas já está se suspeitando muito disso.

Então eu procurei encontrar uma solução para explicar o que é alergia e o que representa a cura através da AH, como se dá essa cura, e inventei uma forma que me satisfez: Como o alergeno é um corpo estranho, ele não é aceito pelo Sistema Imunológico, daí a briga contra ele, e daí as conseqüências para o paciente, que se têm alergia a inalantes o que acontece? Ele começa a espirrar, tentando eliminar o pelo catarro, o alergeno, se esse alergeno vai lá para os pulmões, o Sistema Imunológico agride aquilo e produz uma secreção para tentar, com essa secreção, que ele tossindo, ele elimine esses alergenos que estão agredindo. Então, na realidade é uma forma de defesa, não é nem doença, é uma defesa contra o que está fazendo mal, o que não deveria existir no ar que ele está respirando; não deveria existir no alimento que ele está comendo. Tudo bem, então o que acontece quando se faz a AH? Esses alergenos acabam indo para o sangue, eles acabam se fixando, passando para os pulmões, para o sangue, passando para o nariz, para o sangue. Porque todos esses órgãos estão cheios de sangue, quando o Sistema Imunológico vai lutar contra esse alergeno, ele vai encontrar o que ele considera que não é, quero dizer, ele vai identificar o alergeno, vai captá-lo e vai tratar de eliminá-lo, como um corpo estranho.

Ao mesmo tempo, ele vai descobrir como inativar o alergeno, como ele vai lutar contra ele, já que ele identificou como corpo estranho e acaba com isso, induzindo o que se chama tolerância imunológica, ele acaba aceitando como próprio o que antes ele considerava um inimigo, é o que chama... quem descobriu... o maior alergista que o mundo conheceu, viveu 2000 anos AC, chamava-se Metrídades, o Rei Metrídades, um rei grego, ele descobriu quando ele tinha 10 anos de idade, ele descobriu que tomando doses diminutas de 2 venenos que se usavam para matar os reis, na época, que era: Cicuta e Arsênico, eles punham sempre no vinho, que era o alimento que mais disfarçava o veneno; e ele descobriu que tomando doses diminutas e crescentes ele ficava imune; eu não sei como ele descobriu isso. Sei que o prazer dele era ter sempre um provador que ficava sempre ali, tinha que tomar o vinho, quando o provador tomava o vinho e caía morto fulminado, com um gole, ele tomava o resto da taça do vinho, e era considerado pelo povo como tendo poderes divinos, porque todo mundo tinha assistido a pessoa tomar e morrer fulminado e ele tomando o resto e em uma quantidade muito maior do veneno, então ele descobriu que o próprio veneno criava a defesas contra o veneno, o veneno criava os anticorpos contra o veneno, mais para isso ele fazia em doses crescentes e é o principio da vacina, é o que se faz quando se fabrica o soro antiofídico, para depois nos salvar da picada de cobra, é injetar no cavalo doses crescentes de veneno, até que o cavalo suporta doses, que mataria na primeira dose, instantaneamente o cavalo; e aí esse sangue desse cavalo é retirado, separado o soro (a parte branca) e a parte vermelha (dos glóbulos) é jogada fora, fica com a parte branca, e essa é que é o soro antiofídico, mas quem descobriu isso tudo foi o Rei Metrídades, 2000 anos AC.

Aos médicos e futuros médicos

Conferir sempre, nunca aceitar nada como ‘isso é coisa do passado’; isso é ‘atrasado’; é demodê; está fora de moda; somar sempre e em lugar de substituir, com os ensinamentos novos, substituir os antigos, se possível sempre somar, o antigo com o novo; e sempre conferindo e nunca aceitando como: ‘isto não funciona’, sem conferir, desde que, lógico, não haja prejuízo pra quem vai usar este tratamento, mas, sempre, sempre somando.

Por exemplo: a ventosa, que hoje não se usa, agora está voltando a usar, no Japão até com aspiração e tudo. Foi uma grande técnica usada, nos anos, séculos XIX, no séc XIX se usava muito a ventosa, se curava a pneumonia com ventosa, não se sabia nem o porque que curava, mas se aplicava as ventosas nos pulmões, e salvava, não tinha antibióticos naquele tempo; o pneumococo era o mesmo que existe hoje, e se curava a pneumonia. Agora depois, só depois o Reich com a bioenergética, que deu para explicar o porquê que a ventosa curava; porque a ventosa puxava um sangue carregado de energia, subia o potencial de energia acima dos micróbios e a energia que estava sendo usada pelos micróbios, para se reproduzir, era tirada dele, e a ventosa com isso curava a pneumonia. Mas, sem esperar o Reich publicar os livros dele, nos anos 40 do séc. XX não se sabia, mas os médicos tinham juízo e usavam a ventosa sem saber disso, sem saber o porquê que funcionava, já que funcionava.

Então, a grande lição é a gente considerar como objetivo primeiro da medicina, o alivio e a cura do paciente; e depois a nossa satisfação como cientista; que nós queiramos ou não, todo médico deve querer ser um cientista, deve querer saber o porquê das coisas, vai estudar depois, pra se satisfazer. Isso é satisfação pessoal. Mas o compromisso que ele tem, não é esse, o compromisso que ele tem é com o paciente, de melhorar o paciente, de aliviar o sofrimento, esse é o único compromisso que ele tem.

Aos pacientes

Primeiro: mente positiva. Porque a mente negativa agrava o sofrimento.

O Sistema Imunológico quando a pessoa fica negativa em relação ao seu padecimento, ele declina, ele baixa; se ele crê na sua cura, ele tem toda chance de vencer a doença, quando ele acha que a doença dele não tem cura, ele já reduziu muito sua possibilidade de cura.

Então, é importantíssimo ele pensar de forma positiva, a mente tem um enorme poder, tanto de cura, como de destruição, esses casos todos que estão aumentando hoje, de doenças auto-imunes, tem origem na mente negativa, aquele caso que eu contei da esclerodermia, aquele lá do Hospital Cardoso Fontes, foi o inconsciente dela que gerou aquilo. Ela tinha um filho excepcional, o marido abandonou, deixando ela sem poder trabalhar, com o filho excepcional e a mente criou a doença para que toda família fosse socorrê-la, porque ela estava totalmente desvalida, sem nada, sem condição, com um filho excepcional e sem poder trabalhar, tendo que cuidar dele. Então, a doença foi a solução para o problema dela e a AH foi a solução para a doença. E depois, tudo se resolveu.

Relação entre emoção, saúde e doença

Emoções aprazíveis, boas, geram saúde.
Emoções ruins: medo, medo de violência, ódio, raiva, tristeza, gera a doença.
Então, tudo aquilo que gratifica a pessoa: tranqüilidade, segurança gera saúde.

Um exemplo simples: uma pessoa sofre de psoríase, está de férias...vai tomar banho de mar, recebe sol, está na praia, a psoríase desaparece toda; volta para o trabalho, no dia seguinte, explode tudo. Por quê? Se ele gostasse realmente do trabalho, o efeito não seria tanto. Mas se ele vai trabalhar no que não gosta, tendo contato com pessoas que ele não se dá, ele não está feliz ali onde ele está trabalhando e o psoríase faz com que desvia o lado, a atenção negativa que ele tem, aquele mal estar que ele tem em relação ao trabalho dele e com as pessoas que ele convive, ele liga a psoríase e esquece aquilo.

O inconsciente,... só que aí nos põe bem pequeno, porque o meu conceito é que o inconsciente representa em nós 90%, nós só somos 10% conscientes, 10% racionais e 90% irracionais, e esses 90% é o inconsciente e ele nos atende da maneira que ele pode. Ele cria, as doenças se somatizam para desviar a atenção do lado psíquico, para aliviar o indivíduo do ponto de vista psíquico.
Na realidade a doença muitas vezes não é problema, é solução.

Só que depois a pessoa não se conforma com ela, porque traz sofrimento, então, ele quer curar a doença, mas que, no momento que aquilo foi criado, foi uma solução.

O que leva a pessoa a mudar o comportamento?

O mais importante é: não chorar sobre o leite derramado; o que não tem remédio remediado está; essa filosofia muda totalmente a vida, porque o grande problema..., a doença em si... bem, para os chineses eles consideram a doença como culpa, eles consideram a doença como algo que a pessoa cria, uma culpa. Então, a visão otimista das coisas, sempre vendo em tudo que acontece de ruim, algo de bom; isso muda muito, porque, o lado negativo nosso esperando sempre o pior, é uma fábrica de doenças e o que mais favorece a baixa imunológica.


A importância do otimismo na doença.


Para mudar o rumo das coisas é preciso que a visão seja otimista; se a pessoa tem uma pessoa da família que está mal e se ele ao invés de acreditar que ela vai reagir, vai melhorar e vai se curar, ela acha que não há mais jeito, que não há mais salvação, nada mais pode ser feito...e se, o paciente, toma conhecimento disso, está liquidado, porque ele vai deixar de lutar pela sua cura. E, no momento que ele não acredita mais na sua cura, ele não vai mais reagir contra a doença, quer dizer, o paciente nunca deve ser levado a acreditar que o caso dele não tem mais ..., não tem solução, ele sempre tem que ter, tem que ser mantido no paciente, uma visão otimista da sua situação.

_______
Cuide Bem de Você!

www.cuidebemdevoce.com

Google + 1

Talvez se interesse:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Florais e Cia...