quinta-feira, 9 de setembro de 2010

NOVO FILME MOSTRA QUE O HIV NÃO EXISTE - Não é ficção


Aliás, algo que David Icke já havia registrado há muito tempo, vejam aqui:
AIDS: A Grande Trapaça, por David Icke: http://www.umanovaera.com/conspiracoes/Aids.htm

*****

Vale a pena assistir este video. Fala sobre a mentira contada a todo o planeta sobre a existência do HIV, vírus que nunca foi isolado e que é acusado de causar a aids, na verdade doença desencadeada por outros fatores, ainda obscuros como o cancer. Em ingles o maior site sobre o assunto se chama www.virusmyth.com lá se paga um premio de 1.000 libras (http://www.virusmyth.com/aids/award.htm) para quem isolar o HIV e entregar ele. Já se vão mais de 10 anos de site e ninguém nunca conseguiu isolar o vírus no planeta e ganhar o dinheiro. Será porque?

Se entender um pouquinho de ingles veja este filme novo que foi lançado agora: http://www.houseofnumbers.com/site/
Lá fora tem gente mexendo na coisa. A bomba vai estourar daqui a uns anos, décadas talvez. Vai ser a falência da medicina, a vergonha dos médicos e dos laboratórios corruptos que mataram milhões tratando doentes de forma errada. Os mesmos que vão à tv denegrir a fitoterapia e forçar a massa a usar seus remédios assassinos.

No Brasil o médico que veio do EUA p morar aqui e que trabalha dentro desta abordagem é o Dr. Giraldo:  www.robertogiraldo.com
Ele atende gente no Brasil dentro desta dinâmica da visão dissidente da aids sem uso de remédios intoxicantes e destrutivos como o azt, estavudina, etc, caso alguém tenha amigos precisando de ajuda. 

Para quem quiser se inteirar mais e saber das verdades escondidas... aquelas que poucos aceitam ou tem coragem de dizer por medo.
O artigo abaixo é de menção a ser lido, por favor.

***** 

Todos reagem positivamente no Teste ELISA para o HIV

Este artigo foi publicado, pela primeira vez, em Continuum (Londres), inverno de 1998/9 5(5): 8-10. Durante os seis últimos seis anos, trabalhei no laboratório de Imunologia Clínica de um dos mais renomados Hospitais Universitários da cidade de Nova York. Aqui tive a oportunidade de executar e conhecer pessoalmente e em detalhes, os atuais testes usados para o diagnóstico do HIV denominado ELISA , o ”Western blot” e o “Viral Load Test “(Teste de Carga Viral).

1. Diluindo o soro para o teste ELISA
O ELISA é um teste de anticorpos contra o que se supõe ser o Vírus da Imunodeficiência (HIV).  Para se aplicar esse teste, o soro de um indivíduo tem que ser diluído até a proporção de 1:400, com um tipo especial de diluente. De acordo com o fabricante do “kit” para esse teste, esse diluente contém” 0.1% de Triton X-100, soro bovino e caprino (com concentração mínima de 5%) e Linfócitos Humanos Lisados-T (mínimo titer 1:7500) Preservativo: 0,1% Sodium Azide” (1)

Essa diluição extremamente alta do soro humano (400 vezes) me surpreendeu. A maioria dos testes sorológicos que busca a presença de anticorpos contra germes usa soro concentrado (não dliuído). Por exemplo, os testes que buscam anticorpos para Hepatite A e B, vírus da rubéola, cífilis, histoplasma e criptococus, para citar alguns, usam soro não diluído.
Entretanto, na tentativa evitar reações positivas falsas (falsos resultados), alguns testes serológicos usam soro diluído; esse é o caso de testes que pesquisam anticorpos para os vírus do sarampo,da varicela e da  caxumba, que usam a diluição de 1:16, para citomegavírus (CMV) 1:20, e para o Epstein-Barr” vírus (EBV) 1:10.

As questões óbvias são: o que torna o HIV tão único que o soro precisa ser diluído 400 vezes?    E o que aconteceria se o soro do indivíduo não fosse diluído?

2. Testando o ELISA sem diluir o soro.
Para responder a essas questões desenvolvi um experimento num laboratório médico em Yorktown Heights, New York. Desenvolvi essa pesquisa usando os mesmos reagentes que são geralmente usados no kit do o teste ELISA, na maioria dos laboratórios clínicos no mundo (1).
Primeiramente utilizei amostras de sangue que à diluição de 1:400, apresentaram resultado negativo para anticorpos do HIV. Em seguida, usei as mesmas amostras de soro no teste, sendo que desta vez, sem diluição. Obtive resultado positivo para todas amostras. 
 
A partir daí utilizei aproximadamente 100 amostras e o resultado obtido foi sempre o mesmo. Até usei o meu próprio sangue, que à diluição de 1:400, reagiu negativamente; e não diluído reagiu positivamente. Devo informar que com exceção da minha própria amostra, todas as amostras dos pacientes vieram de médicos que requisitaram teste de HIV. E é assim provável que a maioria das amostras manipuladas pertencessem a indivíduos considerados como de risco para a AIDS.

De acordo com os Laboratórios Abbot, o valor de absorção (intensidade da cor amarela) “desenvolve-se em proporção à quantidade de anticorpos para HIV-1” (1). O que notei foi que a capacidade de absorção das amostras que testaram negativo, quando diluídas na proporção de 1:400, mas positivo quando não diluídas, apresentavam valores mais baixos que aquelas que mesmo não diluídas reagiam positivo para ELISA e para os teste ocidentais. Isso provavelmente significaria que o sangue dessas amostras tem um nível mais baixo de anticorpos que aquele duplamente positivo e assim, poderia provavelmente apresentar um resultado negativo para os testes “Western  blot ”. Entretanto não tive oportunidade de testar essa hipótese.
O seguinte gráfico ilustra como o sangue que reage negativamente para o HIV na escala de  1:400 sempre se torna positivo quando não diluído (1:1).
É importante salientar que o teste de anticorpos para o HIV “Western blot” também requer que o soro seja diluído. Embora ele também tenha uma diluição considerada mais alta que a comum, aqui o soro do individuo é apenas diluído na proporção de 1:50(2). Ainda não tive oportunidade de realizar esse teste com amostras não diluídas.   
                    
3. Discussão
A seguir, temos três explicações possíveis para o fato de amostras de sangue não diluído sempre reagirem positivamente no teste ELISA.
3.1. Todos têm anticorpos para o HIV
É aceito no mundo todo que o teste ELISA para o HIV detecta anticorpos para o que é conhecido como Vírus da Imunodeficiência Humana. E o laboratório farmacêutico que comercializa o “kit” do ELISA afirma que o “Abbott HIVAB HIV-1 EIA é um Imunoteste de Enzima Qualitativa in vitro para Investigação do Anticorpo para o Vírus tipo 1 da Imunodeficiência Humana (HIV-1), no Soro e Plasma Humanos” (1).

Desde que todas as amostras de sangue reagem positivamente no “ELISA”, um teste que supostamente investiga a presença de anticorpos para o HIV, os resultados aqui apresentados sugerem que cada ser humano teria anticorpos para o HIV. E isso sugere que todos teriam sido expostos aos antígenos do HIV.            
                                                             
Isso significaria que todos nós fomos expostos ao vírus considerado como causa da AIDS. Os que testaram positivo mesmo na diluição de 1:400, seriam aqueles que teriam tido a mais alta exposição ao antígeno do HIV. O resto da população – aqueles que somente reagem positivo com o soro não diluído - teria tido um nível mais baixo de exposição ao HIV.  

3.2. Todos têm níveis diferentes de infecção do HIV.
É também uma verdade universal que uma pessoa que apresenta anticorpos ao HIV foi não somente exposta, mas também está infectada por um vírus mortal que causa a imunodeficiência (3-6). Desse modo, as reações positivas encontradas em todos os soros não diluídos significaria que todas as pessoas, ou pelo menos, todas as amostras de sangue que eu testei, inclusive a minha, estariam infectadas por esse vírus “mortal”. A diferença entre esses e aqueles que testaram positivo na concentração de 1:400 seria  tão somente de grau de infecção.  

3.3 O teste não é específico para HIV.
Os resultados aqui apresentados poderiam também significar que os testes usados para detectar anticorpos para HIV não são específicos para o HIV, como explicado anteriormente (7-14). Nesse caso, existiriam razões outras, atuais ou passadas, que não a infecção ao HIV, para explicar a reação positiva. O teste pode apresentar reação positiva na ausência do vírus do HIV.
A literatura científica documentou mais de 70 razões diferentes para se obter uma reação positiva, que não a existência atual ou passada do vírus do HIV no sangue. Todas essas condições têm em comum uma história de estimulações poliantigênicas.

Mesmo os Laboratórios Abbott têm pleno conhecimento dos problemas específicos no teste ELISA. É por isso que eles afirmam: “O teste ELISA não pode ser usado isoladamente para o diagnóstico da AIDS, mesmo quando a investigação de amostras reativas, sugere a presença do anticorpo para o HIV-1” e “Embora seja válido para todas as aplicações clínicas e de Saúde Pública, tanto no grau de risco da pessoa estudada com no grau de reatividade da amostra, essas correlações são imperfeitas. Desse modo na maioria dos estabelecimentos, sugere-se investigar amostras reativas repetidamente. Assim seria apropriado se proceder a repetidas investigações com a ajuda de outros testes, específicos e suplementares.” Interessante é que há países, como a Grã Bretanha, onde o diagnóstico do o HIV se baseia exclusivamente no Elisa. Nenhum teste “Western blot” ou qualquer outro teste é usado. 

A única maneira adequada para estabelecer a especificidade e acuidade de um determinado teste é com o “padrão ouro”. Entretanto, desde que o HIV nunca foi isolado como uma entidade viral purificada (17-19), não pode haver um padrão ouro para o HIV. A acuidade e a especificidade dos testes para anticorpos do HIV foram em vez disso definidas a partir da afirmação de que o HIV é a causa da AIDS. Dessa maneira ”As pesquisas do Abbott mostram que a acuidade baseada numa prevalência assumida de 100% de anticorpos para HIV nos pacientes é estimada em 100%       (144 pacientes testados)” e “a especificidade baseada numa suposta prevalência zero de HIV no doador casual é estimada em 99.9% (4777 doadores casuais testados) No momento não existe nenhum padrão reconhecido para estabelecer a presença ou ausência do anticorpo para o HIV no sangue humano. Dessa maneira o quesito acuidade foi baseado no diagnóstico clínico da AIDS e a especifidade baseada no doador casual  (1)  (A ênfase é minha) 

Desde que não existe nenhuma evidência científica de que o teste ELISA seja específico para anticorpos do HIV, um resultado positivo no ELISA (uma amostra reativa) em qualquer que seja a concentração do soro sugeriria a presença de anticorpos não específicos ou poliespecíficos       (20). Esses anticorpos poderiam estar presentes em todas as amostras de sangue. Eles mais parecem ser um resultado de resposta ao stress, não tendo relação com nenhum retrovírus,e não interferindo no HIV (21,22). Nesse caso, um teste reativo (positivo) poderia representar a medida do grau de exposição do indivíduo a agentes de stress ou agentes oxidantes (15,26).  A conclusão inevitável para todos esses resultados positivos à presença de anticorpos do HIV, é que são falsamente positivos. Se ninguém é positivo ao HIV, então pessoas que reagem positivamente ao ELISA o fazem devido a outra coisa que não o HIV.

4. Como encontrar o significado real dos teste para anticorpos do HIV
Para se desvendar o significado desses testes, proponho um experimento simples. Colete sangue de três grupos de pessoas e aplique os teste em alta diluição, em diluição zero, e entre eles num grande espectro de diferentes graus de diluição. O primeiro grupo seria de pessoas saudáveis de diferentes faixas etárias: o segundo grupo de pessoas do chamado grupo de risco da AIDS; e o terceiro grupo com pessoas que apresentem condições clínicas relacionadas e não relacionadas com a AIDS. Os três grupos iriam se submeter não só ao ELISA, mas também ao teste “Western blot”.

Complementarmente, todas as amostras seriam submetidas  teste de carga viral para o HIV.

Os resultados desse experimento poderia determinar se as medidas de teste sustentam qualquer relação com o grau de exposição do indivíduo a agentes de stress ou oxidantes. Se assim for, os testes podem ser utilizados como uma medida do grau de intoxicação de um indivíduo.                                                                                                                                  
 Vamos tentar encontrar o apoio financeiro para realizar esse experimento. Por enquanto, vamos pelo menos parar de rotular como “soropositivo” as pessoas que tenham reagido positivamente ao Elisa, desde que já sabemos que não é um teste específico para o HIV.
5. Agradecimentos
Gostaria de agradecer ao Dr. Albert Padovani, Diretor do “Yorktown Medical Laboratory” por me permitir realizar esses experimentos registrados aqui nesse laboratório e por disponibilizar os reagentes para os testes. Também agradeço a Tom DiFernando, Diretor Executivo do “Health Education Aids Liaison” (HEAL), em New York, por editar os manuscritos desse artigo e por suas valiosas sugestões.

Testes para o HIV são altamente imprecisos

Este artigo foi escrito em Junho de 2000  e divulgado  durante uma discussão em Internet                                                        do Painel Sul Americano Presidencial de consultoria para a AIDS.
Durante os últimos seis anos trabalhei no Laboratório de Imunologia Clínica de um dos mais renomados Hospitais Universitários da cidade de New York. Aqui eu tive a oportunidade de pessoalmente aplicar e chegar aos resultados em detalhes dos testes usados atualmente para o diagnóstico do HIV, conhecido como ELISA, e também os testes  “Western blot” e  “Carga Viral”.

1. O teste ELISA, o teste Western blot e o teste de Carga Viral, usados para o diagnóstico de “Infecção por HIV” não têm precisão. 
Existem muitos argumentos contra a acuidade dos testes para diagnóstico da infecção conhecida como HIV. Para aqueles que querem pesquisar o assunto mais profundamente, recomendo veementemente começar o estudo pelo artigo de Bio/Tecnologia de Eleni Papadopulod-Eleopulos e seu grupo de pesquisadores de Perth, Austrália Ocidental (1993)
Aqui estão alguns fatos que sustentam a idéia de que se uma pessoa reage positivamente a esses testes, não significa que esteja infectada com o HIV.
A definição da AIDS, de acordo com os Centros para Controle e Prevenção de Doenças do Governo Federal dos Estados Unidos, requer um resultado positivo no teste de anticorpos para o HIV. Essa definição é aceita mundialmente. A importância do HIV nessa definição é tão forte que, atualmente, muitos pesquisadores de AIDS, profissionais da área de saúde e leigos, seguindo a conduta do Instituto de Medicina dos Estados Unidos, da Academia Nacional de Ciências e da maioria dos pesquisadores, agora se referem à AIDS como “Doença do HIV” (2-7.

Entretanto a AIDS na África pode ser diagnosticada sem teste de HIV ou outro teste laboratorial qualquer. Isso ficou decidido por oficiais da Saúde Pública Americana numa conferência em Bangui, África Central em outubro de 1985 (“ WHO’s Weekly Epidemiological Record 1986;61:69-76 e “Science Magazine” 21 de novembro de 1986). Isso dá aos profissionais da área o direito de diagnosticar a Aids na África apenas baseados nos sintomas e sinais que o paciente manifestar.

1.2 Os testes que são usados mais frequentemente para o diagnóstico do HIV são o teste de placas ELISA, o teste confirmatório Western blot , e o PCR ( reação da Polimerase em cadeia) teste de carga viral.  Nos Estados Unidos, o ELISA e o Western blot juntos, ficaram conhecidos como o “Teste da AIDS”. Esses testes supostamente detectam a presença de anticorpos contra o HIV. O PCR é um teste genético que faz cópias dos pequenos fragmentos de ácidos nucléicos que acredita-se pertencerem exclusivamente ao HIV. Esses são os mesmos testes usados para checar o HIV em mães, bebês, crianças, e na população como um todo. O problema é que em todos esses testes uma reação positiva ao HIV não garante absolutamente que a pessoa esteja infectada pelo HIV. (12-21).

1.3. Atualmente, um resultado positivo no “teste da AIDS”-os testes de anticorpos ELISA e o Western blot- é sinônimo de infecção por HIV e conseqüente risco de desenvolver a AIDS (8-11).
Entretanto esses teste de anticorpos não são nem padronizados nem reproduzíveis e em relação ao HIV eles em si não se justificam porque significam coisas diferentes em indivíduos diferentes; como também têm significados diferentes laboratórios e diferentes país onde são aplicados (12). Eles também são interpretados de maneiras diferentes nos Estados Unidos, Rússia, Canadá, Austrália, África Europa e América do Sul (22-27), o que significa que um pessoa que é positiva na África pode ser testada como negativa na Austrália, ou uma pessoa que é negativa no Canadá, pode ser considerada como positiva na África (28). O outro problema é que a mesma amostra de sangue quando testada em 19 laboratórios diferentes recém 19 resultados diferentes (29).

1.4 Os antígenos usados no teste Western blot, proteínas ou bandas –p120, p41, p32, p24/25, p17/18 - que são considerados como específicos do HIV podem não estar codificados no genoma do HIV, e podem na verdade representar proteínas celulares humanas .

1.5. O único método válido para estabelecer a susceptibilidade e a especificidade de um teste de diagnóstico em clínica médica, é comparar o teste em questão com o seu padrão ouro. O único padrão ouro possível para os testes de HIV é o próprio vírus da imunodeficiência humana. Desde que o HIV nunca foi isolado como uma entidade viral independente e livre e purificada (32), não é possível definir adequadamente a susceptibilidade ou especificidade de nenhum teste para HIV (12) Abbott afirma:  “ Até o momento não existe nenhum padrão reconhecido para estabelecer a presença ou ausência do anticorpo do HVI-1 no sangue humano. Desde que não existe nenhum padrão ouro para definir  a especificidade dos testes usados para diagnóstico da infecção por HIV, todos os resultados positivos são questionáveis.

1.6.Existe uma grande quantidade de publicações científicas explicando que existem mais de 70 condições diferentes já documentadas, que podem fazer o teste de anticorpos dar um resultado  positivo sem haver uma infecção por HIV ( 12-14; 17; 19 30). Em outras palavras existem mais de 70 razões ditas científicas para falso positivo no teste para o HIV. O fato foi amplamente registrado na literatura científica.

1.7. Com certeza é chocante saber que o diagnóstico do HIV é baseado em testes que não são específicos para o HIV. Entretanto a evidência nos diz que uma pessoa pode reagir positivo no teste para o HIV mesmo quando não está infectada.

1.8. Os laboratórios farmacêuticos que fabricam e comercializam os “kits” para esses testes têm conhecimento da imprecisão deles e por isso os suplementos que vêm com os kits taticamente afirmam:” O teste ELISA não pode ser usado separadamente no diagnóstico da AIDS, mesmo se a pesquisa sugerida  em amostras reativas sugira uma alta probabilidade de que o anticorpo para o HIV-1 esteja presente”(20). No Western blot o suplemento adverte” O amplicor do teste de monitoramento para HIV-1 não tem a intenção de ser usado como um teste de placa para o HIV ou como um teste de diagnóstico para confirmar a presença da infecção ao HIV.(35). O problema é que não apenas a maioria dos pesquisadores da Aids, jornalistas e leigos mas também profissionais da área de Saúde  desconhecem esses fatos sobre os testes porque não têm acesso a eles. Assim parece haver pouco ou nenhum compromisso da parte da instituições responsáveis em divulgar esses fatos aos médicos, imagine o público em geral.

1.9. Como os resultados do teste de carga viral são dados em cópias por ml de plasma (35), pesquisadores da Aids, profissionais de Saúde e leigos podem pensar que esses resultados representam cópias ou contagens do vírus propriamente ditos (12, 36-41) No entanto o teste só pode fazer cópias de fragmentos dos ácidos nucléicos, e não do vírus. Um teste positivo de carga viral não pode ser considerado como significante da presença do genoma total do HIV e portanto o teste não pode ser usado  medir vírus.

1.10. Resultados do teste de carga viral não podem ser reproduzidos. Eles podem ser vistos no amplo espectro de variabilidade que é aceito no padrão de qualidade determinado pelas empresas que produzem e comercializam os “kits” para o teste. Por exemplo, a Roche aceita controle baixo apresentando uma variação entre 1.200 e 11.000 cópias/ml (lote#0047) e alto controle variando entre 99.000 e 750.000 cópias/ml (lote#A00246). O mais importante de tudo, é que os problemas com a falta de um padrão ouro para a infecção por HIV também se aplicam para a avaliação da acuidade do PCR e do teste de carga viral (12,41,42). Consequentemente, a especificidade do teste de carga viral nunca foi definida corretamente e também os resultados positivos nesse teste são falso positivos para o HIV.  

1.11 O fato de que os defensores do HIV como a causa da Aids, tiveram que apelar para um recurso genético- o teste PCR- é um argumento forte contra a asserção referida acima. Para tentar identificar o HIV no sangue de supostos pacientes de Aids, eles têm que aumentar a quantidade de material genético no sangue em vez de fazerem cultura do vírus inteiro, isolá-lo e purificá-lo. Violam, dessa maneira, uma das regras principais das doenças infecciosas: no clímax ou no estágio máximo de severidade de qualquer doença, o paciente tem a maior quantidade de micróbios nos tecidos, e é nesses momentos que é mais fácil isolar e purificar os micróbios que estão realmente causando a doença.

1.12. As pessoas têm o direito de estarem esclarecidos antes de fazerem suas escolhas. Entretanto esse direito de ser informado implica em ter acesso a uma boa informação. Não existe justificativa para o fato de que maioria das pessoas não sejam informadas sobre a grave imprecisão dos teste para o HIV. Reter ou esconder esses fatos é um séria brecha à confiança pública, violando o direito da pessoa de ser informada claramente sobre os cuidados com a sua saúde.As implicâncias legais dessa situação foram registradas. 

2. Ser soro positivo não significa que a pessoa está infectada pelo vírus do HIV
2.1. Existe um número crescente de publicações científicas explicando em detalhes que os teste para a infecção por HIV não são específicos para o HIV (12-14, 47).Existem muitas razões que não uma infecção no passado ou no presente para explicar o fato do indivíduo reagir positivamente nesses testes. Ou seja, esses testes podem apresentar resultado positivo na ausência do vírus do HIV.
2.2. Algumas das razões que fazem aparecer um resultado falso-positivo no chamado teste de Aids são: infecção passada ou presente por uma variedade de bactérias, parasitas, vírus e fungos, incluindo tuberculose, malária, leischmaniose, “Influenza”, gripes comuns, lepra, e uma história de doenças sexualmente transmissíveis; a presença de anticorpos poliespecíficos, hipergamaglobulinemias, a presença de anticorpos a uma variedade de células e tecidos, vacinas, e a administração de Gamaglobulina ou imunoglobulinas; a presença de doenças auto-imunes como Lúpus Eritomatoso sistêmico, sclerodermia, dermatomiosote e artrite reumatóide ;  a existência de gestação e multiparidade, a história de inseminação retal, vício em “drogas lícitas” muitas doenças de rins , falência renal e hemodiálise; uma história de transplante de órgãos; presença de algum tipo de quimioterapia ; muitas doenças de fígado; hemofilia, transfusões de sangue e a administração de algum fator coagulante,  e mesmo a mais simples condição da idade, isso apenas para citar alguns dessas razões(12-14,17,18,30).
2.3. É interessante notar que todas essas condições que fazem os “testes para o HIV” reagirem positivamente sem a presença do vírus são condições que estão presentes em concentrações e distribuições variadas em todos os grupos ditos de risco nos países desenvolvidos, assim como na grande maioria dos habitantes do mundo subdesenvolvido.  Isso significa que com toda a probabilidade, muitos usuários de drogas (incluindo mães), alguns homossexuais e alguns hemofílicos nos países desenvolvidos, assim como na grande maioria dos habitantes em quase todos os países da África, Ásia; América do Sul e Caribe, que têm reações positivas aos testes de HIV, podem muito bem estarem apresentando esses resultados devido a condições outras, que não a de estarem infectados pelo vírus do HIV (12-24;30;48).
2.4.Além disso, é sabido que pessoas com ou em risco de contrair a Aids têm um nível alto de anticorpos – imunoglobulinas- como conseqüência de terem sido expostos a quantidades significantes de uma variedade de substâncias estranhas tais como “drogas lícitas”, sêmen,  fator VIII, sangue e componentes do sangue, infecções sexualmente transmitidas e outras infecções (12-14, 49). Todas essas substâncias são agentes oxidantes que causam stress oxidativo (47,50,51) .

2.5.Recentemente, tive a oportunidade de desenvolver um experimento através do qual pude demonstrar que todo o sangue reage positivamente no teste ELISA, quando usado o soro não diluído.Isso pode indicar que todos têm anticorpos contra o que se supõe ser o HIV. Aqueles que reagem positivamente apenas quando usado o soro não diluído, certamente apresentam uma quantidade de anticorpos bem inferior àquela apresentada por aqueles que continuam a reagir positivamente mesmo quando o soro é diluído 400 vezes (88). Essa possibilidade foi confirmada por pesquisadores Iugoslavos e Italianos. (90).
2.6. Existe também uma grande quantidade de dados científicos que indicam a presença geral de interações inespecíficas entre o que se considera serem antígenos retrovirais e anticorpos não compatíveis (12,52-54). É então possível se concluir que os testes para HIV reagem positivamente na presença desses anticorpos, ou seja, um resultado positivo num teste de anticorpo para o HIV pode ser resultante da estimulação de antígenos pré-existentes e não resultado do HIV ou outra infecção retroviral. 

2.7. Finalmente, foi proposto que os anticorpos contra o HIV são marcadores substitutos para o uso de drogas lícitas nos Estados Unidos e Europa (55,56).
2.8.Por outro lado, mesmo que os “testes de Aids” fossem capazes de detectar anticorpos contra o HIV, seria lógico dizer que a presença daqueles anticorpos indica uma infecção ativa. A presença de anticorpos contra qualquer vírus simplesmente significa resposta imune-humoral para aquele vírus e não necessariamente que aquele vírus ainda está ativo e patogênico (48,58). Uma pessoa pode ter anticorpos contra muitos germes sem que esses germes estejam ativos, patogênicamente ativos ou mesmo presentes (58,59). Na maioria dos casos, anticorpos contra vírus indicam imunidade. Esta é a mais verdadeira base da vacinação contra doenças viróticas (48,58,60). Mesmo que os testes fossem específicos para anticorpos contra o HIV, a pergunta seria a seguinte :Por que somente no caso da Aids a presença de anticorpos indica presença de doença em vez de proteção contra ela?

2.9. Não existe justificativa para o fato de que tanto os pacientes como o público em geral, tenham sido protegidos de todos os fatos acima citados. Sem os méritos e deméritos dos testes para o HIV, as pessoas não podem tomar decisões embasadas numa informação fidedigna.

3. Os chamados vírus da Aids podem nem mesmo existir.
A Biofísica Eleni Papadopulos-Eleopulos e seu grupo de pesquisadores no Hospital Royal Perth em Royal Perth, Austrália Ocidental, foram os primeiros cientistas a mencionarem o fato de que o HIV nunca foi isolado (12). Por muitos anos Papadopulos-Eleopulos e seus colaboradores, vieram publicando trabalhos, onde descreveram em detalhes, fatos científicos que corroboram a afirmação de que os chamados vírus do HIV podem nem mesmo existir (12-14, 20,30,31,47,50,61-64).

3.1. Os procedimentos corretos (31) empregados por cerca de meio século para se conseguir isolar um retrovírus são: a) achar em  culturas de células infectadas, partículas com um diâmetro de 100-120 nM que contenham os chamados corpos internos ou núcleos condensados que tenham superfícies crivadas de projeções – protuberâncias b)nos gradientes de densidade da sacarose, as partículas se ligam em uma densidade de 1.16gm/ml;c) a uma densidade de 1.16gm/ml não existe nada além de partículas com características morfológicas de partículas retrovirais; d) essas partículas contêm apenas RNA e não DNA, e o RNA consistentemente possui o mesmo comprimento (número de bases) e composição , não importa quantas vezes esse experimento seja repetido ;e) quando as partículas são introduzidas em culturas secundárias ela são absorvidas pelas células, o RNA total é transcrito reversamente em cDNA, o cDNA total é inserido no DNA celular, e o DNA transcrito em  RNA que é então traduzido em proteínas; f) como resultado disso, as células das culturas secundárias liberam partículas na cultura média; g) as partículas liberadas nas culturas secundárias, têm exatamente as mesmas características das partículas originais, ou seja, precisam ter morfologia idêntica, ligar-se a 1.16gm/ml e conter o mesmo RNA e proteínas (31).

Nenhum desses procedimentos foi atingido no caso do HIV (12,14,31,47).
3.2. Nenhum dos pesquisadores que reinvidica a autoria de obter o HIV isolado, mostrou a presença de partículas com características morfológicas de retrovírus ligantes a 1.16gm/ml (31).
Mesmo a palavra “isolar” como usada pelos mais conhecidos pesquisadores (65-67), é incorreta e enganosa desde que nem Montagnier, Gallo ou Levy isolaram partículas do HIV, de qualquer outro retrovírus humano, ou mesmo qualquer partícula semelhante a um vírus                                                            (12-14,30,31,47,61,68-74). 

3.3 Desde que nunca uma “partícula retroviral” (retrovírus) foi isolada de nenhuma cultura             (12-14,31,47,61-63,69-75), a existência do HIV foi estabelecida indiretamente pela presença registrada no sangue de indivíduos soro-positivos e ditos portadores de Aids, de proteínas/glicoproteínas tais com gp160/150, gp120,gp41/45/40,p34/32,p24 e p 18/17, todas consideradas como pertencentes ao HIV; também pela presença de enzimas como transcriptase reversa, que supostamente pertence ao HIV; e pela presença de fragmentos de DNA e RNA supostamente atribuídos ao HIV (12-14,31,47,61-63,69-75).
Entretanto nunca se provou que essas substâncias pertencessem ao HIV (12-14,31,47,61-63,69-75) Como pode alguém provar que as substâncias encontradas naquelas culturas pertencem a uma partícula viral que nunca foi encontrada a 1.16gm/ml? Para se provar que aquelas substâncias são parte de um retrovírus chamado HIV, é absolutamente necessário que as partículas retrovirais tenham sido previamente separadas – isoladas - de qualquer coisa.           Isso nunca foi feito com o HIV(31). 

3.4.É interessante notar que existe uma expectativa no sentido de que as substâncias listadas em 6.3 apareçam exclusivamente quando o sangue de uma co-cultura, supostamente infectado por células anormais de pacientes de leucemia, ou de linfócitos do cordão umbilical (31). O problema é que as mesmas substâncias podem ser obtidas das mesmas culturas na ausência do sangue supostamente infectado pelo HIV.

3.5. As culturas onde aparecem as substâncias acima citadas, são culturas que foram fortemente estimuladas por substâncias como fitohemaglutinina, IL-2, antisoro do interferon humano, e outros agentes (31) Esses estimulantes das culturas são agentes oxidantes (31,47). O problema é que o mesmo tipo de material pode ser observado em culturas estimuladas de linfócitos, pertencentes a pessoas saudáveis.  
                                                                                 
 É interessante notar que na presença de anti-oxidantes nenhum fenômeno do HIV pode ser observado na cultura, nem pode ser encontrada qualquer substância do HIV.

3.6. As substâncias listadas em 6.3. não são, de maneira alguma, específicas do HIV (31). Por exemplo, é sabido que a transcriptase reversa pode ser encontrada associada a entidades que não são retrovírus, tais como células eucarióticas, alguns vírus de DNA animal e vegetal até mesmo alguns íntrons (77).

Gallo e colaboradores afirmaram que os sobrenadantes livres de células de culturas infectadas possuem DNA do HIV(78,79)..Eles esqueceram que, por definição, retrovírus são partículas infecciosas que contêm apenas RNA. Quando o retrovírus entra na célula, o RNA é transcrito reversamente em DNA, que é então integrado ao DNA da célula como provírus, o que significa que aquele ”DNA do HIV” estará presente apenas na célula e em nenhum lugar mais.(31)
Existe também ampla evidência de que qualquer DNA ou RNA presente no sobrenadante da cultura, está lá como um efeito da estimulação exercida pelos cátions e agentes oxidantes, muito mais do que como efeito da presença de um retrovírus (31).
“A clonagem do HIV” é também enganosa. Sem se isolar a partícula retroviral que contem RNA dentro do seu núcleo, a clonagem do RNA específico do HIV é impossível (31).
3.7.Até hoje ninguém apresentou evidência alguma de que os chamados antígenos ou proteínas do HIV (gp160/150, gp120, gp41/45/40, p34/32, p24, p18/17) sejam constituintes de uma partícula de retrovírus ou mesmo de partícula semelhante a um retrovírus,  um único vírus, o HIV(31).

3.8. As proteínas ou antígenos derivados de culturas estimuladas são a base para os testes de anticorpos do HIV, ELISA e “Western blot” (31,73).Fragmentos do RNA de culturas estimuladas formam a base do teste de carga viral do HIV (31,73). Essa é a principal razão pela qual os atuais testes para o diagnóstico do HIV não são específicos. (12-14,31,61,62).

3.9. Na matéria publicada no Jornal de Virologia, em janeiro de 1997, dois grupos distintos de  pesquisadores, publicaram experimentos que requisitando a autoria de isolar o vírus do HIV. Agora e pela primeira vez na história do HIV, pesquisadores seguiram as regras internacionalmente aceitas para isolar partículas retrovirais. Como era esperado, nas bandas protéicas de sedimentação a 1.16gm/ml de sacarose, onde se sabia que os vírus se localizavam, nada foi encontrado a não ser “debris celular” a 1.16 gm/ml não existia nada que sugerisse uma partícula retroviral (80-81).Eles não puderam isolar o HIV simplesmente porque o HIV não estava lá para ser isolado.

Foi proposto que todas as substâncias que indicam a existência do HIV nada mais são que material não viral reunido e induzido pelos agentes aos quais os pacientes de Aids e as culturas são expostos (31). Quando encontradas em pessoas, essas substâncias poderiam ser vistas como produtos regulares de resposta ao stress (82), e secundários da exposição a agentes estressores químicos, físicos, biológicos, mentais e nutricionais (45,51,57,83-87). 
 
3.10. É, portanto, possível se concluir que todo o modelo da Aids como doença infecciosa e transmissível tem sua base num organismo inexistente. A pedra fundamental do modelo HIV-AIDS é, então, um fantasma.

4. O sentido verdadeiro de se ser soro-positivo.
4.1. As considerações acima nos permitem propor que a reatividade nos testes ELISA, Western blot, e PCR é causada por exposição múltipla, repetida e crônica a agentes estressores químicos, físicos, biológicos e nutricionais. O grau de reatividade seria proporcional ao nível de exposição a esses estressores imunológicos ou agentes oxidantes (12-14,30,31,63,88,89).
Resultados positivos nos testes ELISA e Western blot, também podem ser entendidos como conseqüência da presença de altos níveis de anticorpos poli –específicos devido a um estado de estimulação poliantigênica crônica (52-54).A reatividade dos três mais importantes testes para o HIV – o ELISA, o Western blot e o PCR ou carga viral- seria simplesmente resultante de uma resposta de stress (82,88,89,91-94).

4.2. Ser “HIV positivo” (soropositivo) – ou seja, reagir positivamente nos testes de HIV-  iria então significar que a pessoa foi exposta  a muitos desafios antigênicos e tóxicos, isto é, a muitos agentes oxidantes (47,50,89). Seu sistema imunológico respondeu fortemente a esses estímulos imunogênicos e imunotóxicos (51,57,89). O sistema imunológico desses indivíduos soropositivos estaria debilitado-oxidado- por essa super-estimulação e intoxicação. Dessa maneira o risco desses indivíduos para a Aids é mais alto do que o daquele que são “HIV negativos”.

4.3. Sem dúvida, existe quase que uma correlação perfeita entre a reatividade dos chamados testes do HIV e a Aids.
A exposição a estressores imunológicos faz esses testes reagirem positivamente. Ao mesmo tempo, essa exposição pode ser a causa de supressão de imunidade, de nível leve a moderado, em todos os indivíduos não sintomáticos que reajam positivamente nos “testes de HIV”. Se a exposição ao estressor imunológico não é interrompida, e se o indivíduo não é desintoxicado, é bem provável que esse indivíduo “HIV positivo” assintomático vai ter essa supressão imunológica piorada e vai desenvolver manifestações clínicas da Aids.

O que sabemos é que o HIV não tem um papel causal na Aids. Ao contrário, o fenômeno do HIV é um dos efeitos da resposta de stress à exposição múltipla, repetida e crônica a agentes estressores químicos,físicos, biológicos, mentais e nutricionais.

5. Tentativas possíveis de se encontrar o significado real dos testes do HIV.
Coletar amostras de sangue de quatro grupos de pessoas e aplicar os testes com alta diluição, não diluído e com um amplo espectro de diluições entre elas: a) o primeiro grupo seria de pessoas saudáveis e de várias faixas etárias; b) o segundo grupo seria formado de pessoas pertencentes ao  chamado grupo de risco da Aids; c)  o terceiro grupo teria pessoas com condições clinicas em nada relacionadas à Aids;d) e finalmente, pacientes com manifestações plenas da Aids, formariam o quarto e último grupo. 
Todos os grupos seriam submetidos a ambos os testes – ELISA e Western blot. E como complementação, todas as amostras de sangue poderiam ser submetidas também ao teste de carga viral para o HIV.
O resultado desse experimento poderia determinar se essas medidas de testes suportam qualquer relação com o nível de exposição do indivíduo a agentes estressores ou oxidantes. Caso seja assim, esses testes poderiam ser aproveitados como medida do nível de intoxicação apresentada pelo indivíduo.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
CDC. Centers for Disease Control and Prevention. 1993 Revised Classification System for HIV Infection & Expanded Surveillance Case Definition for AIDS Among Adolescents & Adults. MMWR 1992; 41: 1-19.
FAUCI AS. Immunopathogenesis of HIV Infection. J Acq Immunodeficiency Syndromes 1993: 6:655-662.
STAPRANS SI and FEINBERG MB. Natural History and Immunopathogenesis of HIV-1 Disease. In: SANDE MA and VOLBERDING PA. The Medical Management of AIDS. 5th Edition. Philadelphia: W.B. Saunders Company, 1997: 29-56.
LEVY JA. Overal Features of HIV Pathogenesis: Prognosis for Long-Term Survival. In: HIV and the Pathogenesis of AIDS. Second Edition. Washington DC: ASM Press, 1998: 311-338.
VOLBERDING PA and COHEN PT. Natural History, Clinical Spectrum, and General Management of HIV Disease. In: COHEN PT, SANDE MA and VOLBERDING PA. The AIDS Knowledge Base. Boston: Little, Brown and Company, 1994: Section 4.
INSTITUTE OF MEDICINE & NATIONAL ACADEMY OF SCIENCES. Confronting AIDS. Washington DC: National Academy Press, 1986.
WORTLEY PM, CHU SY and BERKELMAN RL. Epidemiology of HIV/AIDS in Women and Impact of the Expanded 1993 CDC Surveillance Definition of AIDS. In: COTTON D and WATTS DH. The Medical Management of AIDS in Women. New York: John Wiley & Sons, 1997: 3-14.
FEINBERG MA and VOLBERDING PA. Testing for Human Immunodeficiency Virus. In: COHEN PT, SANDE MA and VOLBERDING PA. The Aids Knowledge Base. Boston: Little, Brown and Company, 1994: Section 2.
PINS MR, TERUYA J and STOWELL CP. Human Immunodeficiency Virus Testing and Case Detection: Pragmatic and Technical Issues. In: COTTON D and WATTS DH. The Medical Management of AIDS in Women. New York: John Wiley & Sons, 1997: 163-176.
METCALF JA, DAVEY RT and LANE HC. Acquired Immunodeficiency Syndrome: Serologic and Virologic Tests. In: DEVITA VT, CURRAN J, HELLMAN S, et al. AIDS: Etiology, Diagnosis, Treatment and Prevention. 4th Edition. Philadelphia: Lippincott - Raven, 1997: 177-196.
WEISS SH. Laboratory Detection of Human Retroviral Infection. In: WORMSER GP. AIDS and Other Manifestations of HIV Infection. New York: Lippincott- Raven, 1998: 175-200.
PAPADOPULOS-ELEOPULOS E, TURNER V & PAPADIMITRIOU JM. Is a Positive Western Blot Proof of HIV Infection ? Bio/Technology 1993; 11:696-707.
PAPADOPULOS-ELEOPULOS E, TURNER V, PAPADIMITRIOU J & CAUSER D. HIV Antibodies: Further Questions and a Plea for Clarification. Curr Med Res Opin 1997; 13:627-634.
PAPADOPULOS-ELEOPULOS E, TURNER V, PAPADIMITRIOU J, et al. Why No Whole Virus? Continuum (London) 1997; 4(5):27-30.
JOHNSON C. Playing Russian Roulete in the Lab: Can you Really Trust the AIDS Test? New York: The HEAL Bulletin, Special Edition, 1993.
JOHNSON C. Is Anyone Really Positive? Continuum (London); April/May 1995.
JOHNSON C. Factors Known to Cause False-Positive HIV Antibody Test Results; Zenger’s San Diego, California, September 1996: 8-9.
JOHNSON C. Whose Antibodies Are They Anyway? Continuum (London), September/October 1996; 4(3):4-5.
HODGKINSON N. Science Fails the "AIDS Test". In: AIDS: The Failure of Contemporary Science. How a Virus that Never Was Deceived the World. London: Fourth Estate, 1996: 232-262.
TURNER VF. Do HIV Antibody Tests Prove HIV Infection? Continuum (London) 1996; 3:8-11.
BAUMGARTNER M and The International Forum for Accessible Science. Information Dosier: United Nations Commission on Human Rights, Geneva, Switzerland. April 1998: 64.
CDC. Centers for Disease Control and Prevention. Interpretation and Use of the Western Blot Assay For Serodiagnosis of Human Immunodeficiency Virus Type 1 Infections. MMWR 1989; 38 :S1-S7.
ZOLLA-PAZNER S, GORNY MK & HONNEN WJ. Reinterpretation of Human Immunodeficiency Virus Western Blot Patterns. NEJM 1989; 320:1280-1281.
BURKE DS. Laboratory Diagnosis of Human Immunodeficiency Virus Infection. Clin Lab Med 1989; 9:369-392.
DE COCK KM, SELIK RM, SORO B, et al. AIDS Surveillance in Africa: A Reappraisal of Case Definition. BMJ 1991; 303:1185-1189.
MASKILL WJ & GUST ID. HIV-1 Testing in Australia. Australian Prescriber 1992; 15:11-13.
VOEVODIN A. HIV Screening in Russia. Lancet 1992; 399:1548.
CONTINUUM. HIV Positive ? - It Depends Where You Live. Take a Look at the Criteria that Determine a Positive HIV Test Result. Continuum (London) 1995; 3(4):20.
LUNDBERG GD. Serological Diagnosis of Human Immunodeficiency Virus Infection by Western Blot Testing. JAMA 1988; 260:674-679.
TURNER VF. Do Antibody Tests Prove HIV Infection?. Interview by Huw Christie editor of Continuum. Continuum (London) Winter 1997/8; 5(2):10-19.
PAPADOPULOS-ELEOPULOS E, TURNER VF, PAPADIMITRIOU JM & CAUSER D. The Isolation of HIV: Has it Really Been Achieved? The Case Against. Continuum (London) 1996; 4(3): S1-S24.
ABBOTT LABORATORIES. Human Immunodeficiency Virus Type 1. HIVAB HIV-1 EIA. Abbott Laboratories, Diagnostics Division. January, 1997 (66-8805/R5), 5 pages.
BUIANOUCKAS FR. HEAL’s Alternative AIDS Test. A Practical Alternative to T-Cell and Antibody Tests. HEAL (Health Education AIDS Liaison) Comprehensive Packet 1993.
EPITOPE, ORGANON TEKNIKA. Human Immunodeficiency Virus Type 1 (HIV-1). HIV-1 Western Blot Kit. PN201-3039 Revision # 6, page 11.
ROCHE. Amplicor HIV-1 Monitor test. Roche Diagnostic Systems, 13-06-83088-001, 06/96.
PIATAK N, SAAG MS, YANG LC, et al. High Levels of HIV-1 in Plasma During All Stages of Infection Determined by Competitice PCR. Science 1993; 259:1749-1754.
VAN GEMEN B, KIEVITS T, SCHUKKINK R, et al. Quantification of HIV-1 RNA in Plasma Using NASBA During HIV-1 Primary Infection. J Virol Meth 1993; 43:177-188.
KWOK S & SPINSKY JJ. PCR Detection of Human Immunodeficiency Virus Type 1 Proviral DNA Sequences. In: PERSING DH, SMITH TF, SMITH FC, et al. (eds.) Diagnostic Molecular Biology: Principles and Applications. Washington DC:ASM Press, 1993.
MULDER J, MCKINNEY N, CRISTOPHERSON C, et al. Rapid and Simple PCR Assay for Quantitation of Human Immunodeficiency Virus Type 1 RNA in Plasma: Application to Acute Retroviral Infection. J Clin Microbiol 1994; 32:292-300.
DEWAR RL, HIGBARGER HC, SARMIENTO MB, et al. Application of Branched DNA Signal Amplification to Monitor Human Immunodeficiency Virus Type 1 Burden in Human Plasma. J Inf Dis 1994; 170:1172-1179.
JOHNSON C. The PCR to Prove HIV Infection. Viral Load and Why They Can’t Be Used. Continuum (London) 1996; 4:33-37 and 39.
PHILPOTT P & JOHNSON C. Viral Load of Crap. Reappraising AIDS 1996; 4(10):1-4.
KENT G, DELANY L, HOPE T and GRANT V. Teaching Analysis. Informed Consent: A Case for Multidisciplinary Teaching. Health Care Analysis 1996; 4(1):65-79.
O’MARA P. Life, Liberty, and Informed Consent. Mothering September/October 1998; (90): 6-9.
SILVERMAN WA. Informing and Consenting. In: Where’s The Evidence ? Controversies in Modern Medicine.Oxford: Oxford University Press, 1998: 78-84.
CHRISTIE H. Wake the Law. Damaging, Non-Specific HIV Testing at the Hands of the Medical Industry Must Soon Prompt Large Finantial Compensation for "the Diagnosed" It’s Time to Sue! Continuum (London) Spring 1998; 5(3):28-29
PAPADOPULOS-ELEOPULOS E. Reappraisal of AIDS - Is the Oxidation Induced by the Risk Factors the Primary Cause? Medical Hypothesis 1988; 25:151-162.
GIRALDO RA. AIDS and Stressors IV: The Real Meaning of HIV. In: AIDS and Stressors. Medellín, Colombia: Impresos Begón, 1997: 133-173.
SHALLENBERGER F. Selective Compartmental Dominance: An Explanation for a Nonifectious, Multifactorial Etiology for Acquired Immune Deficiency Syndrome (AIDS), and a Rationale for Ozone Therapy and other Immune Modulating Therapies. Med Hypothesis 1998; 50:67-80.
TURNER VF. Reducing Agents and AIDS - Why Are We Waiting? Med J Austr 1990; 153:502.
GIRALDO RA. AIDS and Stressors II: A Proposal for the Pathogenesis of AIDS. In: AIDS and Stressors. Medellín: Impresos Begón, 1997: 57-96.
SNYDER HW and FLEISSNER E. Specificity of Human Antibodies to Oncovirus Glycoproteins: Recognition of Antigen by Natural Antibodies Directed Against Carbohydrate Structures. Proc Nat Acad Sci USA 1980; 77:1622-1626.
BARBACID M, BOLAGNESI D & AARONSON SA. Humans Have Antibodies Capable of Recognizing Oncoviral Glycoproteins: Demonstration that these Antibodies are Formed in Response to Cellular Modification of Glycoproteins Rather than as Consequence of Exposure to Virus. Proc Nat Acad Sci USA 1980; 77:1627-1621.
WING MG. The Molecular Basis for a Polyspecific Antibody. Clin Exp Immunol 1995; 99:313-315.
DUESBERG PH. AIDS Acquired by Drug Consumption and other Non Contagious Risk Factors. Pharmac Ther 1992; 55:201-277.
DUESBERG PH & RASNICK D. The Drug-AIDS Hypothesis. Continuum (London) 1997; 4(5):S1-S24.
GIRALDO RA. AIDS and Stressors III: A Proposal for the Natural History of AIDS. In: AIDS and Stressors. Medellín: Impresos Begón, 1997: 97-131.
ZINKERNAGEL RM. Immunity to Viruses. In: PAUL WE. Fundamental Immunology. Third Edition. New York: Raven Press, 1993: 1211-1250.
MIMS CA, DIMMOCK NJ, NASH A & STEPHEN J. The Immune Response to Infections. In: Mims’ Pathogenesis of Infectious Diseases. Chapter 6. London: Academic Press, 1995: 136-167.
EVANS AS. Viral Infections of Humans, Epidemiology and Control. New York: Plenum Publishing Corporation, 1989.
PAPADOPULOS-ELEOPULOS E. Is HIV the Cause of AIDS. Interview by Christine Johnson. Continuum (London) 1997; 5(1):8-19.
PAPADOPULOS-ELEOPULOS E, TURNER V, PAPADIMITRIOU J, et al. Between the Lines. A Critical Analysis of Luc Montagnier’s Interview Answers to Djamel Tahi. Continuum (London) 1997/8; 5(2):35-45.
TURNER VF. Where Have We Gone Wrong? Continuum (London) 1998; 5(3):38-44.
PAPADOPULOS-ELEOPULOS E, TURNER V & PAPADIMITRIOU J. Oxidative Stress, HIV and AIDS. Res Immunol 1992; 143:145-148.
BARRE-SINOUSSI F, CHERMANN JC, REY F et al. Isolation of a T-Lymphotropic Retrovirus from a Patient at Risk for Acquired Immune Deficiency Syndrome (AIDS) Science 1983; 220:868-871.
PAPOVIC M, SARNGADHARAN MG, READ E, et al. Detection, Isolation, and Continious Production of Cytopathic Retroviruses (HTLV-III) from Patients with AIDS and Pre-AIDS. Science 1984; 224:497-500.
LEVY J, HOFFMAN AD, KRAMER SM, et al. Isolation of Lymphocytopathic Retroviruses from San Francisco Patients with AIDS. Science 1984; 225:840-842.
BUIANOUCKAS FR. HIV an Illusion. Nature 1995; 375:197.
LANKA S. HIV: Reality or Artefact? Continuum (London) 1995.
LANKA S. Collective Fallacy. Rethinking HIV. Continuum (London) 1996; 4(3):19-20.
LANKA S. No Viral Identification: No Cloning as Proof of Isolation. Continuum (London) 1997; 4(5):31-33.
DE HARVEN E. Pioneer Deplores "HIV" "Maintaining Errors is Evil" Continuum (London) 1997/8; 5(2):24.
DE HARVEN E. Remarks on Methods for Retroviral Isolation. Continuum (London) 1998; 5(3):20-21.
PHILPOTT P. The Isolation Question. Does HIV Exist? Do HIV Tests Indicate HIV Infection? Here’s Why Some Scientists Say No. How an Australian Biophysicist and her Simple Observations Have Taken Center Stage Among AIDS Reappraisers. Reappraising AIDS 1997; 5(6):1-12.
HODGKINSON N.Origin of the Specious. Continuum (London) 1996c; 4(3):17-18.
KLATZMANN D & MONTAGNIER L. Approaches to AIDS Therapy. Nature 1986; 319:10-11.
DOOLITTLE RF, FENG DF, JOHNSON MS, et al. Origins and Evolutionary Relationships of Retroviruses. Quart Rev Biol 1989; 64:1-30.
LORI D, DI MARZO VERONESE F, DE VICO AL, et al. Viral DNA Carried by Human Immunodeficiency Virus Type 1 Virions. J Virol 1992; 66:5067-5074.
ZHANG H, ZHANG Y, SPICER TS, et al. Reverse Transcription Takes Place Within Extracellular HIV-1 Virions: Potential Biological Significance. AIDS Res Hum Retrovirus 1993; 9:1287-1296.
GLUSCHANKOF P, MONDOR I, GELDERBLOM HR, et al. Cell Membrane Vesicles are a Major Contaminant of Gradient-Enriched Human Immunodeficiency Virus Type-1 Preparations. Virology 1997; 230:125-133.
BESS JW, GORELICK RJ, BOSCHE WJ, et al. Microvesicles are a Source of Contaminating Cellular Proteins Found in Purified HIV-1 Preparations. Virology 1997; 230:134-144.
KOVAL TM. Stress-Inducible Processes in Higher Eukaryotic Cells. New York: Plenum Press, 1997: 256.
GIRALDO RA. AIDS and Stressors I: Worldwide Rise of Immunological Stressors. In: AIDS and Stressors. Medellín: Impresos Begón, 1997: 23-56.
GIRALDO RA. Polemica Cientifica Internacional Acerca de la Causa del SIDA. Investigacion y Educacion en Enfermeria (University of Antioquia, Colombia) 1996; 14(2):55-74.
GIRALDO RA. Papel de Estresantes Inmunologicos en Inmunodeficiencia. IATREIA (University of Antioquia, School of Medicine, Colombia) 1997; 10:62-76.
GIRALDO RA. AIDS and Stressors: AIDS in Neither an Infectious Disease nor is Sexually Transmitted. It is a Toxic-Nutritional Syndrome Caused by the Alarming Worldwide Increment of Immunological Stressor Agents. Medellín, Colombia: Impresos Begón, 1997: 205.
GIRALDO RA. AIDS in Neither an Infectious Disease nor is Sexually Transmitted. In: AIDS and Stressors. Medellín: Impresos Begón, 1997: 175-187.
GIRALDO RA. Everybody Reacts Positive on the ELISA Test for HIV. Continuum (London) 1999; 5(5):8-10.
GIRALDO RA, ELLNER M, FARBER C, et al. Is it Rational to Treat or Prevent AIDS with Toxic Antiretroviral Drugs in Pregnant Women, Infants, Children, and Anybody Else? The Answer is Negative. Continuum (London) 1999; 5(6): 38-52.
METLAS R, et al. Human Immunodeficiency Virus V3 Peptide-Reactive Antibodies are Present in Normal HIV-Negative Sera. AIDS Research and Human Retroviruses 1999; 15: 671-677.
MORIMOTO R, TISSIERES A, GEORGOPOULOS C. Stress Proteins in Biology and Medicine. Cold Spring Harbor Laboratory Press 1990: 450.
SCHLESINGER MJ, SANTORO MG, GARACI E. Stress Proteins: Induction and Function. Berlin: Springer-Verlag 1990: 123.
VAN EDEN W, YOUNG DB. Stress Proteins in Medicine. New York: Marcel Dekker, Inc. 1996: 578.
LATCHMAN DS. Stress Proteins. Springer, 1999: 422

Roberto A. Giraldo
www.RobertoGiraldo.com

*****
Lena Rodriguez

Google + 1

Talvez se interesse:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Florais e Cia...