quinta-feira, 25 de novembro de 2010

O POTÁSSIO E A MEDICINA POPULAR DO VERMONT


"FOLK MEDICINE"
"O Guia médico Vermontes da Boa Saúde."

Vinagre de Maçã Vivo e Suas Qualidades Extraordinárias para a Saúde
e os Segredos da medicina Popular do Vermont.

A Saúde e a Beleza que vem de dentro.

Quanto mais se observa os princípios e as aplicações da Medicina Popular do Vermont valem para qualquer ser vivo, tanto mais nos convencemos da inegável importância do potássio como agente básico de tratamento. Os diversos remédios receitados pela Medicina Popular do Vermont são apenas meios diferentes de fornecer potássio ao organismo.Folhas verdes, brotos de plantas e de arvores, cascas de arvores, raízes de plantas, moitas de mirtilo.As macieiras são todas elas fontes de potássio.

Tanto os organismos dos animais como os dos seres humanos exige potássio e, se necessário, fará os maiores esforços para obte-lo. Vejamos, por exemplo, as crianças. Geralmente as mães se zangam quando os filhos comem terra, mas talvez seja porque não compreendem que, instintivamente, encontram na terra o potássio necessário ao desenvolvimento físico.

O cavalo roi as tábuas da cocheira porque a madeira contem potássio. É só colocar um pedaço de galho de arvore na manjedoura e ele deixará de roer as tábuas. Os bezerros não roerão as tábuas do estábulo se for adicionado vinagre de maçã à água que lhes é destinada. Se dermos algas marinhas às vacas, elas deixarão de lamber as estacas de ferro.

Em meus estudos sobre o potássio como meio de auxiliar a luta das células do corpo contra as bactérias apliquei o potássio, associado a outros minerais, a terra do meu jardim. Já o usara isoladamente todos os anos, mas me ocorreu que lhe faltavam os outros minerais com os quais é geralmente encontrado na Natureza.

Barre, no Vermont é o maior centro mundial de trabalho em granito, e, decidi adicionar à terra do jardim o pó de granito. Este pó, ao sair do exaustor de poeira é fino como polvilho. O granito contem 5% de potássio, além de dezesseis minerais associados. Quando os misturei à terra do meu jardim, aconteceu muita coisa.

Entre as flores, havia 125 pés de delfinio. Todos os anos eu lutava contra um parasita minúsculo que enrugava e pretejavam as folhas de delfinio - uns parasitas tão pequenos que era preciso lente para vê-los sobre as folhas. Com inseticida não consegui exterminá-los. Assim que apliquei pó de granito em volta das plantas aqueles daninhos abandonaram meu jardim e não voltaram mais.

Nem mais precisei vaporizar inseticida na minha coleção de 60 roseiras, desde que comecei a lhes aplicar pó de granito, na primavera, no verão e no outono. 

Cheguei a conclusão de que o potássio isolado não é tão eficiente como quando empregado em conjunto com outros minerais, alguns dos quais ele tem a função de ativar.

A Medicina Popular do Vermont sustenta que o potássio é o mais importante dos minerais - o mineral chave. É tão essencial a vida de qualquer ser, que sem ele não haveria vida. A Natureza o espalhou por toda parte com tamanha prodigalidade que se pode dizer que é um dos minerais mais intensa e largamente distribuídos. Contudo, apesar da sua difusão por todo o universo, o minério de potássio nunca é encontrado isolado. Nunca é achado puro - está sempre combinado a um acido.

No Vermont, a superfície do solo é pobre em potássio. É através das plantas que os minerais do solo chegam ao organismo dos animais e das pessoas que se alimentam desses vegetais. Quando se ingere um alimento empobrecido em minerais, as células orgânicas estão sendo furtadas nos minerais de que dependem para seu funcionamento perfeito. Pode advir daí um distúrbio fisiológico e químico do organismo que, há seu tempo, produzirá sintomas de doença.

O potássio é necessário para a produção das substancias que dão rigidez às hastes das plantas e que lhes aumentam a resistência às doenças.O potássio é que transforma a semente em flor. O primeiro sinal da carência de potássio numa planta é o estacionamento do crescimento, sem motivo aparente. Se a deficiência não for corrigida, a planta irá murchando e morre.Da mesma forma, no organismo humano ou animal, quando notamos um crescimento abaixo do normal ou uma deficiência na renovação dos tecidos gastos, suspeitamos imediatamente que seja falta de potássio.
A necessidade do potássio é mais acentuada na infância para construir os tecidos orgânicos. Mas essa necessidade se prolonga por toda a vida - e não há substituto para ele.

Os minerais que deveriam estar presentes nos alimentos que se tomam cada dia são necessários para assimilação dos alimentos pelo protoplasma das plantas, dos animais e das pessoas. O protoplasma é o material vitalizante, controlador do crescimento, mantenedor da saúde e da vida não só das células vegetais como dos animais e humanas. Se se abolir o potássio da alimentação estar-se-a alterando os planos da Natureza. Sou constantemente aconselhado pelos fazendeiros do Vermont a comer o mínimo possí­vel de alimentos produzidos por fabricas. Segundo me dizem, os cereais empacotados diminuirão minha capacidade de trabalho continuo.

Visto que o potássio é necessário ao crescimento pesquisei os mapas de alistamento militar para a década de 1920-30, para verificar se a falta de potássio na camada superior do solo do Vermont teria alguma influencia. Verifiquei que os naturais do Vermont estão abaixo da estatura normal. Cheguei a conclusão de que essa deficiência na estatura se devia à falta de potássio na camada superior do solo do Vermont.

Se a falta de potássio produzia essa falha no crescimento das pessoas, restava verificar se o mesmo acontecia em relação aos animais. De um exemplar do "Hoard’s Dairyman", de grande circulação entre os fazendeiros do Vermont, recortei uma tabela que dava a estatura média de diversas raças de bezerros - por ocasião do nascimento, e a medida que iam crescendo.

Baseando-se nessa tabela, medi 25 bezerros Jersey dentre um rebanho de 45.Desses 25, estavam 17 abaixo da tabela.A seguir, medi os bezerros Jersey de um rebanho duas vezes premiado; esses também, tanto ao nascer como durante o desenvolvimento eram, em maioria, de estatura abaixo da média.

Isso me levou a outra hipótese; se o potássio fosse responsável pelo crescimento normal, nasceria um bezerro de tamanho normal se desse potássio às vacas, durante a prenhez.Então ministrei potássio a uma vaca que esperava cria de 4 maneiras diversas:

1 - Duas vezes ao dia, 50 gramas de vinagre de maçã na ração.

2 - A alga marinha (kelp) na alimentação diária sob a forma de uma ração comercial chamada "Manamar".

3 - 50 gramas de vinagre de maçã e três colheres de solução de iodo de Lugol, misturadas uma vez por dia na ração, três vezes por semana, desde o início do sexto mês de gestação.A partir da penúltima semana antes do parto, essa mistura passou a ser administrada em ambas as rações, diariamente.

4 - A terra foi adubada com potássio a fim de que o feno, o milho e outras plantas contivessem o máximo possível desse mineral.

Esses quatro métodos resultaram em bezerros fortes, sadios e bem providos de pelos.
Tinham tamanho normal, ao nascerem, puseram-se em pé cinco minutos depois e meia hora mais tarde começaram a mamar.

Então reforçamos o potássio para as cabras.E os cabritos nasceram maiores, ficaram em pé quinze minutos depois, os cascos endureceram dentro de doze a dezoito horas.
Quando foi adicionado vinagre de maçã à água destinada aos pintos, estes se empenaram mais depressa, as penas da cauda nasceram mais cedo e eles ficaram maiores que a média.

Parece-me, por isso, justo concluir que no Vermont o subdesenvolvimento é devido à falta de potássio na camada superior do solo, e a falta dele nos alimentos industrializados.

Crescimentos anômalos, (calosidades nas plantas dos pés, por exemplo) ou deficiência na renovação de tecidos gastos (quedas de cabelos, cáries dentárias, unhas fracas e quebradiças, etc) devemos logo pensar em falta de potássio na nossa dieta.

Interessei-me muito por apurar como os habitantes rurais do Vermont verificam se é normal o crescimento de seus cabelos, unhas, etc.Eles sabem que a unha do polegar leva cinco meses para crescer e que a do dedo grande do pé leva dez meses.

Eles marcam com uma lima a base de ambas as unhas.Ao fim de cinco meses, se o crescimento é normal, as marcas devem ter atingido a ponta da unha.

Então reforçamos o potássio para as cabras.E os cabritos nasceram maiores, ficaram em pé quinze minutos depois, os cascos endureceram dentro de doze a dezoito horas.

Quando foi adicionado vinagre de maçã à água destinada aos pintos, estes se empenaram mais depressa, as penas da cauda nasceram mais cedo e eles ficaram maiores que a média.

Parece-me, por isso, justo concluir que no Vermont o subdesenvolvimento é devido à falta de potássio na camada superior do solo, e a falta dele nos alimentos industrializados.

Crescimentos anômalos, (calosidades nas plantas dos pés, por exemplo) ou deficiência na renovação de tecidos gastos (quedas de cabelos, cáries dentárias, unhas fracas e quebradiças, etc) devemos logo pensar em falta de potássio na nossa dieta.

Interessei-me muito por apurar como os habitantes rurais do Vermont verificam se é normal o crescimento de seus cabelos, unhas, etc.Eles sabem que a unha do polegar leva cinco meses para crescer e que a do dedo grande do pé leva dez meses.

Eles marcam com uma lima a base de ambas as unhas.Ao fim de cinco meses, se o crescimento é normal, as marcas devem ter atingido a ponta da unha.

Se a marca atingir esse ponto antes da data marcada, o crescimento orgânico dessa pessoa é mais rápido que a média.Se for mais vagaroso concluem pela necessidade de consumir mais potássio para acelerar sua média pessoal de crescimento.

O potássio é para os tecidos moles e o cálcio é para os tecidos duros do organismo.Não há dúvida de que o potássio diminui o endurecimento das artérias.

o potássio do vinagre de maçã vivo, torna mais tenra a carne de vaca preparada para alimentação; não há dúvidas, portanto, de que uma das funções é conservar macios e flexíveis os tecidos do corpo humano.

A Medicina Popular do Vermont tem feito profundas observações sobre a absorção e a eliminação d fluídos pelas células orgânicas.A absorção é chamada de hidratação, e a eliminação, desidratação.A opinião, é que as bactérias, nessecitando de umidade para se manter, tiram-na das células orgânicas.Mas se houver, nestas quantidades suficiente de potássio, serão elas que irão tirar umidade das bactérias.

É dos alimentos ricos em potássio, como as frutas, do mel e do vinagre de maçã, bagas, açucar mascavo principalmente, folhas e raízes comestíveis, que as células orgânicas obtém dose de potássio que irá atrair a umidade necessária para o combate às bactérias.

do livro: FOLK MEDICINE - O Guia Médico Vermontês para a Boa Saude "Dr. D.C. Jarvis – compre aqui

Lena Rodriguez

Google + 1

Talvez se interesse:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Florais e Cia...